O que realmente conta para o currículo

Experimentos de Stanford e Harvard mostram que potencial conta mais do que conquistas no currículo; aprenda como aplicar esses conceitos

Pilha de dados não garantem um bom currículo. Foco em como alcançou cada resultado, sim
São Paulo – A dica de ouro para quem está elaborando um currículo é clara: apresente todos os dados possíveis que comprovem que você é o candidato ideal para o cargo. Em outras palavras, foque em seus resultados passados e encante o recrutador.

Mas experimentos recentes de uma equipe de pesquisadores das Universidades de Stanford e Harvard apontam que potencial para ser um bom profissional conta mais no currículo do que os resultados que você já alcançou na sua carreira.

“Sob algumas condições, os participantes do estudo foram mais propensos a contratar pessoas que mostravam ter mais potencial do que aquelas que já tinham um bom histórico profissional. E até eram mais propensos a pagar mais para eles”, afirma trecho de artigo publicado no site da Universidade de Stanford.

Para chegar a essa conclusão, o grupo conduziu oito experimentos. Em um deles, pediu para os participantes avaliarem dois candidatos hipotéticos para um cargo de alta gerência.

Um deles teve um bom desempenho em um teste de potencial de liderança, mas um resultado menos impressionante em um teste de avaliação de conquistas passadas. Enquanto o outro mostrou um bom histórico de conquistas em cargos de liderança, mas um resultado mediano no teste de potencial.

De acordo com os pesquisadores, os participantes ficaram mais empolgados em contratar aquele que demonstrou ter mais potencial para liderança do que aquele que já tinha apresentado resultados nesta área.

A razão para isso, dizem os especialistas, pode estar ligada ao fato de que, diante da incerteza, as pessoas tendem a pensar mais. “Por focar mais nas pessoas com potencial, os participantes focaram mais nos defeitos e qualidades do candidato”, afirma o artigo.

Com isso, saíram na frente aqueles que mostravam qualidades suficientes para servir de alicerce para o potencial observado. Em outros termos, sem evidências de que o potencial irá se confirmar no futuro, de nada vale um currículo que foque no potencial. Especialista explica como fazer isso na próxima página.

Leia mais aqui.